Manual de cultivo de suculentas em vasos autoirrigáveis

Aquela dúvida que não quer calar: Como cultivar suculentas no vaso autoirrigável?

Preparamos este manual para você que ama suculentas e quer começar sua coleção em vasos autoirrigáveis o quanto antes! Estas dicas vão facilitar e muito o manejo de suas plantas, além de evitar que você acabe perdendo plantas por excesso ou falta de água.

Sobre as plantas

As famosas suculentas pertencem à família botânica das crassuláceas. Chamadas popularmente de “leguminosas” e “gordinhas”, essas plantas armazenam água, açúcares e proteínas nas suas folhas, hastes e raízes. São centenas de espécies, uma mais linda que a outra!

Seja qual for a espécie de suculenta escolhida, é importante entender o que elas precisam para seu bom desenvolvimento. As suculentas têm um metabolismo super eficiente no uso da água, por isso toleram bem os dias de seca. Quando as cultivamos nos vasos autoirrigáveis, devemos lembrar disso para não fornecer água em excesso às plantas.

Você pode molhar a terra, com pouca água, duas a três vezes por semana. Essa frequência já é suficiente para fornecer água na medida certa para as plantas. Ou, se você optar pelo método mais prático de irrigação, você pode encher o reservatório de água uma vez a cada duas semanas. A água irá subir para as raízes por capilaridade através dos barbantes, e a planta irá absorver conforme sua necessidade.

IMPORTANTE: Quando o reservatório estiver vazio, se a terra ainda estiver úmida, você não deve molhar novamente. Espere alguns dias, até que a terra fique mais seca e então, encha o reservatório novamente.

Luz

O ambiente perfeito para você cultivar suculentas é onde pegue sol direto boa parte do dia, pois elas precisam da luz do sol para crescerem de forma saudável.

Caso as plantas estejam crescendo muito em altura, assim aumentando a distância entre as folhas na haste principal, é sinal de que elas estão buscando mais luz. Este fenômeno é chamado estiolamento: quando a luz do ambiente é insuficiente para o bom desenvolvimento das plantas. Se você identificar esse problema, você pode fazer uma reforma no vaso, podar as plantas e produzir mudas novas. Mas principalmente: escolha um ambiente mais ensolarado para elas!

Escolha do substrato

Já reparou que em casas de jardinagem e floriculturas existem substratos (material que substitui a terra) específicos para suculentas?

Isso é porque elas exigem boa drenagem no vaso, ou seja, o substrato deve permitir que o excesso de água não fique retido nas raízes. Esses substratos possuem componentes que forçam a descida da água, através da formação de poros, como areia fina, casca de arroz carbonizada, fibras vegetais, entre outros.

Você pode plantar sua suculenta com terra comum ou com esses substratos específicos. O importante é que as raízes fiquem bem acomodadas na terra e recebam água e nutrientes na medida certa para crescerem lindamente.

Rotina de cuidados

Agora que você já tem os vasos em um ambiente que recebe sol todos os dias, você pode começar a adubar as suas plantas!

Mas qual adubo usar?

Na hora de escolher, você deve ler os rótulos dos adubos/fertilizantes disponíveis em casas de jardinagem, floriculturas ou supermercados. Busque o que tiver mais componentes na fórmula para que a planta receba o maior número de nutrientes. E lembre-se: nem sempre o mais caro é o melhor.

Por exemplo, o famoso adubo “NPK” só possui 3 nutrientes (nitrogênio, fósforo e potássio), sendo insuficiente para as plantas, que em geral precisam de 21 nutrientes.

Depois de escolher um adubo completo, siga as orientações do rótulo quanto à dose, à forma e à frequência de uso.

Mas uma dica: nem 8 nem 80! Você pode aplicar mais diluído do que o recomendado no rótulo. Dessa forma, você está oferecendo os nutrientes para a planta se manter saudável e bonita, mas sem estimular o crescimento exagerado da mesma.

Caso você nunca tenha adubado suas plantas, não precisa “tirar o atraso” e colocar adubo demais, pois irá queimar as plantas!

Posso plantar mais de uma muda no mesmo vaso?

Em geral, sim. Depende do tamanho do vaso e do tamanho das mudas.

Vale lembrar que é importante conhecer hábito de crescimento das suculentas em questão, pois você poderá imaginar como elas estarão depois de alguns meses. Algumas espécies crescem para baixo, são as que formam galhos pendentes. Outras crescem para cima, formando rosetas e estrelas. Existem ainda aquelas que se espalham para os lados, que fecham um vaso inteiro sozinhas.

Se você quer plantar mais de uma no mesmo vaso, faça um mix das espécies que têm o mesmo tipo de crescimento. Elas crescem para baixo e não roubam espaço umas das outras.

 

Qual o tamanho do vaso ideal?

O tamanho do vaso deve ser maior que o da planta, para que ela possa crescer e se desenvolver ainda mais, embelezando sua casa, área de lazer ou trabalho.

Simplificando, siga o passo-a-passo:

1- Escolha o vaso autoirrigável do tamanho e cor da sua preferência;

2- Corte um dos barbantes (assim a água sairá na medida certa para as suculentas);

3- Use substrato específico para suculentas;

4- Planeje quais mudas serão plantadas em cada vaso;

5- Escolha uma mesa ou bancada para servir como apoio para plantar;

6- Monte o vaso, posicionando o caninho e a raiz artificial;

7- Coloque um pouco de substrato, organize os barbantes, de forma que fiquem distribuídos para todos os lados do vaso;

8- Plante as mudas, mantendo as raízes abaixo da terra e as folhas e partes verdes para fora da terra;

8- Faça uma leve pressão com os dedos na terra, retirando os bolsões de ar da terra;

9- Complete com terra, se for necessário;

10- Molhe a terra, com cerca de meio copo de água por vaso;

11- Inicie a adubação 10 dias após o plantio;

12- Crie um calendário de adubação, fornecendo adubo regularmente para todas as suas plantas.

 

Então por hoje é só! Há quem diga que não existe cultivo mais fácil que este, você concorda?